© Design de Laura Machado | Criado com Wix.com

RESENHA: Anna e o Beijo Francês (PERKINS, Stephanie)

November 13, 2017

SINOPSE: Anna Oliphant tem grandes planos para seu último ano em Atlanta: sair com sua melhor amiga, Bridgette, e flertar com seus colegas no Midtown Royal 14 multiplex. Então ela não fica muito feliz quando o pai a envia para um internato em Paris. No entanto, as coisas começam a melhorar quando ela conhece Étienne St. Clair, um lindo garoto — que tem namorada. Ele e Anna se tornam amigos próximos e as coisas ficam infinitamente mais complicadas. Anna vai conseguir um beijo francês? Ou algumas coisas não estão destinadas a acontecer?

 

Eu queria muito dar três estrelas para esse livro, mas não dá. Ele não é bom. Quer dizer, ele não é insuportável de chato, irritante ou revoltante, só não é bom. É um livro bem qualquer coisa, que não acrescenta nada a quem ler.

 

Eu entendo que adolescentes são dramáticos, inseguros e tudo o mais, então isso nem teria me incomodado tanto no livro se não tivesse sido usado só de um jeito extremamente batido! É inacreditável pensar em todas as cenas, porque nenhuma delas - eu repito, absolutamente nenhuma delas é algo novo. Na verdade, nem precisa ser completamente novo (já que isso é impossível), mas nenhuma cena desse livro realmente desvia do clichê. Juro que já li essa história em milhares de fanfics e outros livros por aí. Já vi em vários filmes, vários mesmo, da Hilary Duff, das irmãs Olsen e tudo mais. E, entendo, a história tem seu apelo. Mas esse apelo já se esgotou faz tempo.

Qual o propósito de escrever um livro que não traz nada novo, nenhum questionamento inédito, nenhum momento em que os personagens agem diferente do clichê? Se quer usar o esqueleto do clichê que vende, beleza. Mas tem que acrescentar alguma coisa, alguma cena  que me deixe pelo menos levemente interessada.

 

Todos os problemas são previsíveis, daqueles que você sabe que vão acontecer umas cem páginas antes. E noventa por cento deles são causados por pessoas que não falam, não conversam. "Somos melhores amigos", mas deus que me perdoe ter que falar abertamente sobre qualquer coisa. É óbvio que essa falta de conversa é usada descaradamente para criar problemas e adiar o final feliz (para que a história dure um ano letivo). E isso fica tão, mas tão forçado, que é impossível ser convencido.

 

Mas, na minha opinião, o maior problema da história nem foi isso daí. Foi que, na verdade, teve uma cena em que um dos personagens realmente falou o que precisava falar. A protagonista ouviu. E nós somos obrigados a passar o resto do livro fingindo que não tinha acontecido para que, quando ele falasse de novo, nós ficássemos felizes como se fosse a primeira vez. Nada a ver. Não tinha como a protagonista fingir que aquilo não significava nada e passar as próximas duzentas páginas repetindo para si mesma que era aquilo que queria ouvir. Ela já tinha ouvido! Foi um erro terrível, aliás, já que tudo dali pra frente perdeu completamente a credibilidade (não que tivesse muito, já que dava para saber tudo que ia acontecer mesmo).

 

Outro erro foi ter feito ela se interessar pelo cara desde a primeira vez que o viu. Se queria escrever a história de dois amigos que se apaixonam, devia ter começado sem nenhum interesse além de amizade, certo? Quando a protagonista "percebe que se apaixonou", é outra cena patética, já que ela não escondeu que gostava dele desde o começo! Será que a autora acha que a gente não estava prestando atenção na leitura e precisou repetir tudo duas vezes?

 

Mas ainda tem muita coisa errada nesse livro. A Anna vai para Paris para estudar em um colégio interno, mas, para ser bem honesta, ele só existe para tirar o empecilho dos pais (bem estilo fanfic), ou seja, para os personagens adolescentes serem livres, já que não faz muita diferença em questão de escola ou de ter problemas de moradia. E Paris mesmo só existe para fazer com que ela seja a "nova no colégio", porque a cidade fez pouquíssima diferença na história. Aliás, como alguém que já teve que ser estrangeira e conhece Paris, me senti quase ofendida pelo descaso da autora sobre o como é mesmo ser um estranho em um novo país. Não é só, "tenho amigos, então tá tudo ótimo". E ela aprendeu francês terrivelmente fácil também, em dez meses já estava ouvindo conversas inteiras sem problema (outra coisa que eu posso garantir que não é fácil de acontecer - ainda mais para alguém que tinha dificuldade com línguas, como ela. Eu já morei na França para estudar francês, já tinha aprendido antes e venho do português, que é bem mais próximo, além de saber outras línguas). Foi desnecessário ela fazer isso, só para dizer que sua personagem evoluiu, sem ter que mostrar o desenvolvimento dessa evolução mágica.


Outra coisa desnecessária foi toda a nacionalidade do Étienne. Tanta coisa aleatória nesse livro que não tinha propósito e não foi para lugar nenhum. Vai entender o porquê da autora ter escolhido todos esses detalhes inúteis.

 

Aliás, até as lições "de vida" desse livro são batidas. Desde todo o drama, "Será possível lar ser uma pessoa e não um lugar?", até a questão dela, das amigas e da namorada do cara. Não tem nada de novo nesse livro e tudo é tratado de um jeito extremamente superficial. Ela não se aprofunda em nada. A protagonista diz estar apaixonada, mas é de um jeito tonto (literalmente), não tem muito carinho pelo cara, não demonstra sentimento, só drama. Não teria como dar nem mais uma estrela para esse livro, não quando é tudo forçado, batido e exagerado. Quer dizer, as pessoas não podem nem olhar torto pra protagonista para ela achar que a odeiam e estão bravos com ela. Como isso cansou!

 

 

Mas ainda vou explicar minhas duas estrelas: o livro não é arrastado, dei algumas poucas (bem poucas) risadas com algumas cenas e consegui ler em uma sentada (em várias horas, mas mesmo assim). Ou seja, podia ser pior. Mas este livro simplesmente não é bom.

 

Ainda assim, a verdadeira razão de eu ter dado mais estrelas do que devia (acredite) e o ponto alto do livro foi uma aula dela na escola, bem no final do ano! Na aula em que a professora discute sobre o problema da tradução, o desafio dos tradutores. Meu deus, que questionamento lindo! Era disso que eu precisava (principalmente em um livro que teoricamente deveria ser sobre se mudar para outro país). Mas acaba em menos de duas páginas, então deixa pra lá.

 

Please reload

Curta

Sobre a Autora

Laura Machado

Laura Vieira Machado nasceu em Minas Gerais em 1991. É formada em Moda pela Faculdade Santa Marcelina, de São Paulo. Fala cinco línguas e, quando tinha vinte anos, foi morar na Europa durante dez meses, alternando entre Alemanha, França e Espanha, aproveitando para visitar vários outros países e colecionar memórias inesquecíveis. Na Inglaterra, fez questão de conhecer a casa onde morou Jane Austen, uma de suas autoras preferidas. É mais viciada em café do que Elisa Pariseau. Assiste a muitas séries e não conseguiria viver sem música. É apaixonada por livros românticos e intensos. Escreve o que lhe dá vontade de ler.

Siga a Autora

  • White Facebook Icon
  • White Twitter Icon
  • White YouTube Icon
  • White Instagram Icon
  • skoob

A Princesa Escondida

Primeiro livro da série, A Princesa Escondida foi publicado em Junho de 2017 pela Editora Novo Século, com o selo Talentos da Literatura Brasileira. 

Sobre o Livro

Primeiro livro da série, A Princesa Escondida foi publicado em Junho de 2017 pela Editora Novo Século, com o selo Talentos da Literatura Brasileira. 

Para comprar,

clique aqui.

A Princesa Escondida

Você concorda? Discorda? Quer falar alguma coisa? Deixe um comentário ou me mande uma mensagem por aqui.